4.28.2008

"E Zedka perguntava-se: insisti eu o suficiente? Deveria ter aceite o papel da amante, ao invés de querer que as coisas andassem segundo as minhas próprias expectativas? Lutei pelo meu primeiro amor com a mesma garra que lutei pelo meu povo?
Zedka convenceu-se que sim, mas a tristeza não passava. O que antes lhe parecia o paraíso - a casa perto do rio, o marido a quem amava,(...) - começou a transformar-se num inferno.


Hoje, depois de muitas viagens astrais e muitos encontros com espíritos desenvolvidos, Zedka sabia que tudo aquilo não tinha sentido."

3 comentários:

mitro disse...

Há tantos infernos!

_(without) fєєℓιиgѕ_ disse...

Que texto bonito...^^
Gostei mesmo!
beijinho querida

bruxinha disse...

Que bonito post. Música e texto:)
Beijinho*