6.11.2012

Pintar palavras.

Tenho saudades de muita coisa.
... de me sentir uma pessoa comum, que encara a vida como todas as outras, sem esta minha particularidade especial sensitiva que tenho.
... do meu pai, de como me abraçava quando vivia no mesmo tecto (ou teto? que feio!) que eu, de como me penteava.
Sim, o meu pai penteava-me, vestia-me, levava-me à escola. Era o meu preferido.
Não devia ser assim injusta, porque desde os 9 anos que quem cuidou de mim foi a minha mãe, mas a verdade era essa. Na infância gostava muito mais do meu pai. E não o ter aqui ainda dói,...

Tenho saudades da infância, dos tempos de menina sorridente, dos dias em que as estações faziam sentido.
Agora já não há Inverno nem Verão. Há temperaturas desordenadas.

E nessas temperaturas as ausências sentem-se mais. O coração aperta, ...e sentimos a solidão.

Também tinha saudades de escrever. De desabafar aqui tudo o que sinto sem medo de uma escrita desalinhada nem de represálias.
Mas não me importo com o que os outros pensam, nem que saibam da minha vida.
Só aqueles que eu quero me conhecerão verdadeiramente, apesar de saberem quase tudo de mim por aqui.

Nós não somos só o que fazemos, o que sentimos ou escrevemos. Somos muito mais.

3 comentários:

o teu io disse...

Estarei sempre aqui para ti meu amor :P

Green disse...

Um beijinho minha querida :)

qwerty disse...

Não nos conhecemos e encontrei o teu blog por engano. Presumo que seja mais um sitio para desabafos que outra coisa, mas de qualquer maneira, surpreendentemente, adorei ler os posts.
Também é por estar algo melancólico por ser domingo, mas, de qualquer maneira, obrigado!